O ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal), autorizou a abertura de três inquéritos para investigar o ministro da Secretaria-Geral de Governo, Carlos Marun (MDB-MS), e sete congressistas por envolvimento num suposto esquema de fraudes na liberação de registros sindicais pelo Ministério do Trabalho. Entre eles do deputado federal Nelson Marquezelli (PTB), de Pirassununga e um dos mais votados em Porto Ferreira.

O caso foi investigado na Operação Registro Espúrio, da Polícia Federal e do MPF (Ministério Público Federal).
O deputado Marquezelli será investigado por possível corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Além dele, outros deputados também fazem serão averiguados: José Wilson Santiago Filho (PTB-PB), Jovair Arantes (PTB-GO), Cristiane Brasil (PTB-RJ), e Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força (SD-SP). Também serão investigados os senadores Dalírio Beber (PSDB-SC) e Cidinho Santos (PR-MT).
Eles já haviam sido denunciados por organização criminosa no fim de agosto. Na ocasião, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, requereu a abertura das apurações sobre a prática dos outros crimes, o que foi agora acolhido.
Os congressistas são suspeitos de requerer facilidades para sindicatos, em troca de vantagens indevidas na forma de dinheiro ou apoio político. Todos eles negam ilicitudes. A abertura dos inquéritos foi noticiada pelo jornal O Globo e confirmada pela Folha de S. Paulo. Os casos tramitam em sigilo.
Marquezelli concorre à reeleição este ano.

0
0
0
s2sdefault