Em assembleia realizada na terça-feira (6) o Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público Municipal de Porto Ferreira rejeitou nova proposta formulada pelo Executivo municipal para o reajuste do funcionalismo local. Sendo assim, segundo apurou a reportagem do Jornal do Porto, sem acordo, o prefeito Rômulo Rippa vai encaminhar à Câmara o projeto original de reajuste para apreciação dos vereadores.

Em ofício encaminhado ao Gabinete do prefeito em janeiro, o Sindicato solicitava correção de 8,7%, que representariam a perda salarial dos últimos anos, incluindo 2017, mais o índice inflacionário do período.
No entanto, a proposta do governo municipal apresentada em meados de fevereiro foi de 3% de reajuste salarial e aumento de R$ 30 no auxílio alimentação, passando para R$ 550 (aumento de 5,7%). De acordo com a Secretaria de Fazenda, o valor do reajuste oferecido aos salários está acima da inflação de 2017, que foi de 2,95%, assim como do auxílio.
Em assembleia no dia 16/02, o Sindicato rejeitou a primeira proposta. Houve então nova rodada de negociações, com várias propostas alternativas discutidas. Uma reunião com o prefeito e Sindicato ocorreu no dia 1º de março. Rômulo Rippa teria proposto, além do que já havia oferecido, conceder R$ 50 para os trabalhadores das menores referências salariais a partir de janeiro do ano que vem. O Sindicato pediu o pagamento a partir de julho. O prefeito teria alegado não haver previsão orçamentária para isso.
A proposta foi apreciada em nova assembleia do Sindicato na terça-feira (6) e foi outra vez rejeitada, conforme dito no início do texto. E, desta forma, até o fechamento desta edição, o Executivo apenas aguardava o comunicado oficial do Sindicato para encaminhar a proposta original à Câmara. Ou seja, 3% de reajuste e aumento de R$ 30 no auxílio-alimentação.
A reportagem do Jornal do Porto apurou que em grandes empresas da cidade o reajuste salarial, quando concedido, tem ficado até mesmo abaixo do índice de inflação. Outra pergunta que se faz neste momento: a população ferreirense está disposta a pagar um reajuste acima do índice inflacionário, uma vez que os salários dos servidores é fruto do imposto recolhido dos contribuintes?

0
0
0
s2sdefault