Câmara
Estive esta semana na Câmara Municipal para ouvir o pronunciamento do vereador professor Sérgio (DEM). No qual foi muito feliz em seu discurso. Porém, é nítido o racha que existe naquela Casa de Leis, mas... O que valeu nessa minha ida até lá foi ver o respeito que a maioria dos vereadores tem comigo e com o Jornal do Porto. Pude observar que alguns ainda se mostram incomodados. Se bem que, sendo um deles dono de palavra duvidosa e o outro com seu jeitinho de perseguido, vamos falar sério, olha, faço até questão que continuem assim.

Câmara 2
Em uma sessão que teve a palavra livre por mais de uma hora, em sua maior parte foi usada pelo vereador professor Sérgio, quando foi questionada sua legalidade no cargo da vereança, já que outro vereador havia dito em um discurso semana passada: “Esse representante, que não foi eleito pelo povo – com certeza aí está o peso de carregar esse fardo durante o mandato e a inveja dos colegas eleitos”, referindo-se ao vereador professor Sérgio.

Câmara 3
O vereador Sérgio disse ao acusador dessas ofensas, o presidente da Câmara Miguel Bragioni, poucas e boas e o mesmo fez que fez, desconversou nitidamente (será que quem se cala é porque consente?). Se fazendo mais uma vez de vítima e sempre imputando ao outro a culpa do desconforto ali implantado naquela Casa de Leis, foi assim que terminou mais esse capítulo desastroso de nossa Câmara.

Bomba, bomba e bomba
Alguém se recorda quando se diz BOMBA, BOMBA, BOMBA? Credo em cruzes, isso é um verdadeiro AUTO SEQUESTRO. Mas... eu me recordo muito bem. Isso me fez lembrar de um pseudo jornalista, que tem um caráter bem duvidoso. Esse rapaz andou escrevendo tanta asneira, mas tanta asneira, mas muita asneira que dá até dó. Dizem que é pecado ter dó dos outros, mas como disse um rapazinho um dia desses: “Não aprendi ainda a virar o rosto para levar outro tapa, como Jesus fez. E me elevar espiritualmente”. Essa foi profunda.

Bomba, bomba e bomba 2
Dentre algumas asneiras que disse (esse pseudo jornalista), que é triste ver um jornal acabar de modo moribundo. Olha, isso ele pode dizer com propriedade, e até por experiência própria. Também com esse caráter e com essa maneira retrógada estilo maquina OLIVETTI, não daria outra. Falência na certa. Um jornal, tendo ele (pseudo jornalista) como representante, caramba. Mas... quem sabe essa inveja de não ter conseguido manter-se como jornal em nossa cidade o faça ser tão rancoroso. Se você publica que o Jornal do Porto tem tanto lucro e recebe toda essa fortuna, porque você não conseguiu se manter? Vou te responder: nas suas faculdades não lhe ensinaram humildade, caráter e respeito. Sabe por quê? Isso vem de berço. BUMMMMMM.

Bomba, bomba e bomba 3
E você (pseudo jornalista), que hoje não consegue fazer uma arte final para postar em seu blog ridículo, que precisa ameaçar pessoas na colocação de matérias, coloca até publicidade para grandes redes para ver se dá algum credito, une-se com seus inimigos para criar mais inimigos. Digam-me, isso é jornalismo? Você vem querer me falar em modernidade? Você não passa de um analfabeto digital que, só sabe copiar e colar. Precisa de um canal desse mesmo, sem lei e sem custo, para destilar seu veneno.

Tribuna do leitor
O Jornal do Porto já tem um tempo que implantou em seu semanário a Tribuna do Leitor. Você que tem a coragem de assinar seu nome e dizer os problemas ou dar alguma solução sobre qualquer assunto fiquem a vontade. Não esperem dos outros, faça você mesmo. Procure a redação. É de graça, claro que tem que seguir algumas regrinhas, mas é bem tranquilo. É só vir até o jornal e se inteirar disso.

41 anos
Esta semana estive também na rádio Inovadora FM no programa do amigo Alberto Jr., onde fui mais uma vez bem recebido e pude falar do aniversário do Jornal do Porto e de suas novidades. O Jornal do Porto completa dia 5 de junho seus 41 anos, levando em suas páginas a informação com a credibilidade e respeito que todos os leitores desse semanário merecem. Gostaria aqui de agradecer a todos os nossos assinantes, colaboradores e a todos os leitores do Jornal do Porto, porque é também por vocês que o jornal luta tanto e costuma bater de frente com certas pessoas. Acreditamos que é dessa maneira que podemos ter a liberdade de levar até vocês a informação necessária do modo que achamos ser e do jeito que ela é.

41 anos
Como diz um grande amigo nosso. “Quem não leu o Jornal do Porto, não sabe o que aconteceu”. O nosso muito obrigado a todos. Quando acham que o jornal depende exclusivamente de algum órgão público, estão extremamente enganados. O jornal depende de vocês, que fazem dessa sociedade uma sociedade aberta e livre. Somos apenas um produto carregando vários outros. São as vendas em banca, são nossos classificados, são empresas que aqui depositam a credibilidade de suas publicidades, são dos clubes e associações de nossa cidade, são dos nossos colaboradores (funcionários) que fazem desse jornal um jornal que é da coletividade para a coletividade, são de nossos parceiros, das rádios, são dos nossos assinantes, esses sim são os verdadeiros carregadores desse piano. É daí que sai essa vontade de permanecer escrevendo cada palavra deste jornal e desta coluna. Sempre trabalhando em prol dessa credibilidade. Por isso é que não aceitamos certos desatinos e insanidades. Estarei, sim, defendendo a todos vocês que acreditam no trabalho sério e honesto da família Bellini.
Muito obrigado a vocês, leitores.

0
0
0
s2sdefault