Empresários ferreirenses que supostamente tiveram prejuízos financeiros com uma empresa de Jundiaí, contratada pela Câmara Municipal para realizar obras de reforma e ampliação do prédio do Legislativo, devem recorrer ao Poder Judiciário para solucionar a questão.
Esta foi, em síntese, a mensagem do relatório final de uma comissão temporária de representação formada na Câmara, em março, para apurar o suposto calote aplicado pela empresa em comerciantes locais. A leitura do relatório foi feita na sessão da última segunda-feira (7).

A denúncia sobre o suposto calote foi feita com exclusividade pelo Jornal do Porto, após ouvir comerciantes da cidade dos ramos de hotelaria e alimentação, que teriam sido lesados. Na sequência, o advogado Fábio Alexandre Linden, que atua na cidade, entrou com requerimento cobrando uma ação por parte dos vereadores, mais notadamente a suspensão dos pagamentos à empresa Colinaz Engenharia Eireli Me, contratada pela Câmara.
A comissão foi formada pelos vereadores Alan João Orlando (PSB), presidente; Sérgio Rodrigo de Oliveira (DEM), relator; e Alessandro Rossi Bertazzi, o Dentinho (PSDB), como membro.
O relatório aponta que, diante do que se apurou, foi “nítido” que a empresa “não cumpriu com suas responsabilidades no que se refere aos serviços contratados de terceiros”. Entretanto, quanto ao pedido de suspensão do pagamento, a comissão decidiu pelo seu arquivamento, até porque não existia, segundo o relatório, nenhum valor devido à empresa.
O relatório também diz que Linden já havia ajuizado ação na Justiça em face da empresa, mas que o Poder Judiciário em nenhuma circunstância intimou o Legislativo para que fosse interrompido o contrato com a Colinaz. “Por fim, eventuais danos causados a terceiros decorridos pela Requerida (empresa) devem ser apurados no Poder Judiciário”, conclui o relatório.
Discursos – Na sessão de segunda-feira, após a leitura do relatório, alguns vereadores se manifestaram a respeito do assunto. Alan João, Professor Sérgio e o presidente Miguel Bragioni, em resumo, teceram comentários reafirmando o teor do relatório da comissão.
“Nós lamentamos que não temos possibilidade de ajudar a todos. Mas nós temos que zelar pelo Poder instituído. E o Poder cumpriu rigorosamente com aquilo que estava avençado”, disse Bragioni.

0
0
0
s2sdefault