Não precisa sair com uma lupa para procurar locais que recebem lixo e entulho de forma irregular em Porto Ferreira. Praticamente em todos os bairros, principalmente os mais afastados, é comum ver cenas de lixo domiciliar, móveis, sofás, aparelhos eletrônicos, podas de árvores, restos de limpeza de terrenos e toda sorte de material despejados em calçadas e vias públicas.

Semana passada o Jornal do Porto fez um alerta sobre a situação que vivencia a Apae de Porto Ferreira. Constantemente a calçada que fica na avenida das Acácias, ao lado da entidade, recebe todo tipo de despejo irregular. Nem uma faixa colocada pela direção da Apae no local, pedindo, no mínimo, civilidade aos responsáveis pela sujeira, adiantou para que a prática cessasse.
Esta semana a Redação recebeu mais uma reclamação. Desta vez na Vila Maria. Restos de guarda-roupa, plásticos e espuma de colchões praticamente impediram a passagem de pedestres numa avenida do bairro. “É uma pouca vergonha. A pessoa pensa que a rua é feita para recebe o lixo que ela produz”, reclamou uma moradora.
Em bairros próximos de estradas vicinais a situação é ainda pior. Na estrada velha de Pirassununga, por exemplo, as margens da via recebem há anos toda sorte de material. De tempos em tempos a Prefeitura faz uma limpeza, mas logo em seguida a situação piora novamente. O problema são os recipientes que acumulam água parada e se tornam criadouros do mosquito da dengue e de outras doenças.
O Código de Posturas do Município proíbe o descarte de lixo em vias públicas. O lixo deve ser acondicionado em sacos plásticos, mesmo quando for produto de poda de árvores e limpeza de quintais. Quando a quantidade de lixo é grande, a pessoa deve contratar caçamba e transporte regularizados. O descarte irregular é crime e quem flagrar esse tipo de situação pode denunciar pelos telefones 3589-5237 e 3589-5247.

0
0
0
s2sdefault