Articulação que envolveria prefeito de Santa Rita, secretário estadual e vereadores pode tirar PSDB da família Braga

Por Redação Jornal do Porto em 11/02/2020 às 11:04:29

Porto Ferreira terá eleições para a escolha de prefeito, vice e vereadores no dia 4 de outubro. Antes, porém, haverá algumas datas muito importantes no calendário eleitoral, que definirão as composições dos partidos.

Entre os dias 5 de março e 3 de abril acontece a chamada "janela partidária", quando os vereadores poderão mudar de partido sem justa causa, para concorrerem nas eleições majoritária ou proporcional, sem perder o mandato.

Já o dia 4 de abril é o fim do prazo para aqueles que desejam concorrer a um cargo eletivo estarem filiados a um partido devidamente registrado no TSE (Tribunal Superior Eleitoral). A data marca 6 meses antes do pleito.

Assim, as forças políticas estarão organizadas até o dia 4 de abril. Ou reorganizadas. Notícia apurada pela Redação do Jornal do Porto indica que pode ocorrer uma mudança significativa no jogo político em Porto Ferreira.

Esta mudança passaria por uma articulação que envolve o prefeito de Santa Rita do Passa Quatro, Leandro Luciano dos Santos, o Leandro Pilha, e o secretário estadual de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, ambos do PSDB, além dos dois vereadores da sigla no município, Marcelo Ozelin e Alessandro Rossi Bertazzi, o Dentinho.

Como é de conhecimento geral, o PSDB em Porto Ferreira sempre esteve sob o comando da família Braga. Começou com o ex-deputado estadual e ex-prefeito Dorival Braga, um dos fundadores do partido no final da década de 1980, e depois a liderança foi passada aos filhos que também se tornaram prefeitos, André e Renata Braga.

Houve, há cerca de 20 anos, um único e curto período em que o PSDB chegou a ficar nas mãos do ex-vereador Gilson Strozzi, morto no final de 2016, que conseguiu tirar a sigla do comando da família Braga com apoio do então deputado Lobbe Neto.

Fora isso, o PSDB local sempre foi Braga, ao ponto de ser uma associação quase automática dos nomes. Mas isso pode estar com os dias contados.

Segundo apurou-se, o prefeito Leandro Pilha é o político tucano mais fortalecido na região atualmente. Está no final de seu segundo mandato e tem uma boa avaliação das suas gestões.

Neste tempo no cargo, criou um vínculo muito grande com o secretário Marco Vinholi, que até 2017 era deputado estadual e buscou fincar bases na região.

Como também é de conhecimento geral, os vereadores Marcelo e Dentinho nunca atuaram como oposição ao governo Rippa. Pelo contrário, são constantemente vistos em reuniões e fotos com o prefeito. Isto provocou um distanciamento entre os dois vereadores e a família Braga, principalmente André, que segundo os rumores deve ser o candidato do clã a prefeito este ano.

O ambiente ruim dentro do partido levou os dois vereadores a uma aproximação com o prefeito santa-ritense e, por tabela, com o secretário estadual. Chegando ao ano das eleições, deu-se o dilema: Marcelo e Dentinho trocariam de partido durante a próxima janela, já que não há clima para eles e André no PSDB local? Ou se fortaleceriam com a ajuda de Pilha e Vinholi para assumirem o partido em Porto Ferreira?

A segunda opção, hoje, é a mais provável, conforme apurado pelo JP. As conversas entre o prefeito de Santa Rita, o secretário estadual e os dois vereadores estariam avançadas para que estes assumam o PSDB ferreirense, inclusive com a possibilidade de um deles vir a ser candidato a vice-prefeito na chapa de Rômulo Rippa à reeleição.

Alguns sinais reforçam esta tese de que a família Braga pode perder o comando do PSDB. Em dezembro, nenhum deles compareceu à inauguração do novo prédio do Centro de Convivência do Idoso (CCI), que teve a presença do governador tucano João Doria pela primeira vez em Porto Ferreira. O fato causou estranheza no meio político.

Em vídeos e publicações sobre o evento, Doria posou alegre e contente ao lado de Rômulo Rippa e demais pessoas presentes, elogiando o prefeito ferreirense.

Outro sinal da falta de prestígio da família Braga junto ao diretório estadual tucano é o fato de o prefeito Rômulo Rippa ter sido convidado alguns meses atrás para voltar ao PSDB, partido pelo qual iniciou sua carreira política como vereador.

O Jornal do Porto apurou que Rippa teria agradecido ao convite, mas disse que sua vontade era permanecer no PSD, no qual já formou um forte grupo político e onde também tem as bênçãos do maior líder da sigla, Gilberto Kassab.

Há rumores de que André Braga já percebeu que não tem mais força entre os tucanos de grande plumagem. Ele também teria conhecimento das articulações dos vereadores do seu partido com o prefeito Leandro Pilha. Assim, estaria também com conversas adiantadas para se filiar ao Democratas, partido do seu grande aliado no momento, o vereador Sérgio Rodrigo de Oliveira fazendo seu papel hoje de opositor ferrenho ao governo Rippa.

E nisso o DEM receberia outro atual aliado de André Braga, o ex-vereador Evandro Coelho e em conversas adiantadas com o vereador Gideon que também seria mais um a rever suas alianças.

Uma provável filiação do ex-prefeito ao DEM também o aproximaria ainda mais do grupo político do casal Dr. Maurício e Viviane Rasi, líderes do MDB que poderá lançar uma frente de vereadores sem lançar candidatura própria a prefeito. Nos bastidores, comenta-se sobre uma "política de não agressão" firmada entre os dois ex-prefeitos, articulada por Edvaldo Ranzani Carlos, que deve cuidar do marketing de campanha de André Braga.

Outro partido que faria a composição deste grupo é o PSL, que deve lançar Daniela Braga como candidata à Câmara Municipal. Ela foi a candidata a deputada estadual mais votada da cidade em 2018, com 8,9 mil votos, o que cacifou seu nome para a disputa.

Portanto, são somente especulações que o dia-a-dia político mostra no decorrer dessa pré-candidatura de 2020. Mas sempre podemos esperar novidades e das mais inesperadas no cenário político de nossa cidade.

Fonte: Redação Jornal do Porto

Cavaliani

Comentários