On-line
Tenho certeza que a tendência no mundo será através do on-line (“em linha”, online ou on-line [on-láin] é um anglicismo advindo do uso da Internet, sendo “em linha” sua tradução literal, pouco usada no português). Inclusive o Jornal do Porto também está no ar com seu site, ou seja, em linha com seus leitores. Mas ainda em nossa querida cidade, a acessibilidade a essa ferramenta está bem longe de acontecer. Conheço milhares de pessoas que não têm acesso algum a computador, celular e outros aparelhos, mas adoram ler um jornal. Jornal esse de papel reciclado (árvores replantadas) que não interfere em nada a natureza, diga-se de passagem.

On-line 2
Mas como tem gente que prefere exercer seu ato de soberba e ignorância não percebe fatos tão claros e relevante, principalmente na hora de gerir a ‘coisa pública’ ao ser bem vigilante ao ponto de não saber o quanto gasta ou quanto é cobrado pelos serviços prestados, ou seja, os gestores da Câmara não fizeram as contas ao mandar imprimir editais/atas/concurso público e se tinham verba para isso. Daí tem mesmo que mudar a lei e arrumar a lambança por má administração do dinheiro público e que agora fica com essa lenga-lenga de economicidade, ecologia e etc. Até onde sei é falta de atenção mesmo, erro primário.

Editais
Parece que mais uma vez os “especialistas” da nossa Câmara estão se achando corretos, errados são os clube, associações, TRE, TCU, Justiça do Trabalho, Agência Reguladora, Prefeitura Municipal , empresas e até mesmo os cartórios que usam o jornal para dar legalidade aos seus atos e editais. Poxa como são especialistas.

Novamente
Vou escrever uma frase que ouvi um dia desses. “Quanto mais conheço o ser humano, mais gosto dos animais”. Sem restrição às cobras, ratos e lagartos.

Político
Gente, temos alguns políticos em Porto Ferreira que fazem jús ao mandato de político. Caramba, são mesmo políticos. Credo em cruz. Ameaçam, constrangem e trancam em sete chaves para atingirem “seus objetivos”.

Político 2
Para certos políticos, promessas, ou dizer uma coisa e fazer outra completamente diferente, não me assusta em nada. É claro que não é novidade alguma. Alguns desses políticos subiram na tribuna da Câmara uma semana atrás e disseram ser contra um projeto. E na outra semana votaram a favor! A maioria desses políticos, o que fala de manhã não se sustenta à tarde. Que coisa feia! Voltam atrás das suas próprias palavras, fortes e enfurecidas, que chegam até a nos convencer. Só que não.
Coisas mais importantes
Na verdade, existem problemas de ordem muito mais importantes pela cidade, não é mesmo? Por exemplo, pedir via requerimento, para o leiturista de água fechar a portinha do hidrômetro, isto sim é importante e relevante para Porto Ferreira e para sua população. Podem acreditar, teve isso lá.

Nas ruas
Dia desses cai na besteira de defender alguns políticos da nossa Câmara Municipal. Falaram que esses vereadores que ali estavam eram manipulados por demais e que tinham rabo preso (sei lá o que é isso). Eu, muito inocente, fui à defesa. Olha como fui equivocado. Ah, para alguns vereadores que não sabem o que é equivocado, é simples: quando se cometeu um engano; estar errado.

Tempo
Nada melhor que o tempo para dizer. Em torno dos 40 anos de imprensa já vimos muitos políticos subirem e descerem do pedestal e alguns hoje se achando em ascensão não irão ser diferentes. O tempo vai dizer.

Influência
Vocês podem falar o que quiserem, mas saibam de uma coisa. O jornal de papel ainda tem um peso muito grande na coletividade. Principalmente junto ao público formador de opinião. “Se saiu no jornal é porque é verdade”, diz o senso comum. Corretamente, aliás. E o que sai no on-line, podemos dizer o mesmo? Os próprios políticos da Câmara estavam falando tempos atrás sobre “caçar os fakes” das redes sociais. E então? Ah, esqueci, de noite falam uma coisa, no outro dia podem fazer outra.


Pressão
A formiguinha que estava lambendo o açúcar que caiu da xícara de café da cozinha da Câmara me falou que um tal “gestor” botou pressão pra valer sobre alguns políticos antes da votação que citei lá no início. Teria dito algo assim: “O fulano (citou um conhecido vereador que não está mais entre nós) sempre foi brigado com o jornal e sempre foi bem votado”. Parece que caíram nessa. E essa mesma formiguinha me disse que teve vereador levado até a prefeitura para esclarecimentos, vixi a coisa foi feia. Tudo isso para não contrariar o “menininho”, que passou por apuro esses dias. Oh coitado!

Amizade
Será que alguns carginhos no poder público valem mais que a palavra e uma amizade de décadas? (autor desconhecido)

Votação
A votação do Projeto Diário on line foi truncado e que se não fosse a pressão exercida nos vereadores, pela falta de informações e experiências de alguns não sei não. Estão dizendo por aí que o peso maior foi a cobrança do famoso toma lá dá cá, que fez a diferença.

Assalto previsto?
Desde que a agência do Banco do Brasil de Porto Ferreira sofreu tentativa de assalto, em 17 de setembro, e boa parte de seu atendimento foi forçosamente desviada para a agência central dos Correios, causava admiração entre os cida-dãos comuns – mas não entre autoridades, como agora fica claro -, que aquela unidade postal não contasse com guardas de segurança. Não deu outra: na manhã de terça-feira, a agência foi assaltada, colocando em risco a vida dos servidores e das cerca de 30 pessoas que ali estavam no momento da ação dos marginais. De quem é a culpa? Dos Correios, que mesmo obrigado a trabalhar com valores maiores não cuidou da segurança? Ou do Banco do Brasil, que transferiu responsabilidades operacionais, mas se furtou de garantir a segurança de seus correntistas? Ou das autoridades de Segurança, que silenciaram diante de um quadro de riscos visível a olho nu até pelo cidadão comum?

O BB paquidérmico
Decorridos 43 dias entre a tentativa de assalto à agência do BB e o assalto da terça-feira à agência dos Correios, a unidade local daquele banco oficial conti-nua fechada. Comenta-se que dificilmente reabrirá este ano, por causa da burocracia que transforma aquela instituição oficial em um paquiderme bancário. Fosse um banco particular, como já vimos aqui mesmo, a poucos metros da agência do BB, certamente o problema já teria sido resolvido. O Banco do Brasil, ao contrário, parece não ligar a mínima importância para os transtornos que sua inércia está causando a seus correntistas, especialmente para os idosos. Como uma instituição com o peso do Banco do Brasil não tem uma alternativa para socorrer seus correntistas em situações excepcionais, como a que vive a agência de Porto Ferreira? Não se alegue questão de segurança, porque o Banco não se importou com isso ao transferir parte de seu atendimento para a agência dos Correios, não preparada para a demanda forçada que recebeu.

Privatização
O agir paquidérmico do Banco do Brasil para recuperar sua agência de Porto Ferreira e dispensar a atenção que seus correntistas merecem, é um bom motivo de reflexão, principalmente para os contrários à sua privatização. Ser empresário não é papel do Estado. Seu papel de fomento, de estímulo ao desenvolvimento, pode muito bem ser desenvolvido por linhas especiais pelos bancos particulares e pelas cooperativas de crédito, alinhados com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Diante do que se vê, ou o Banco do Brasil desperta e passa a fazer parte das soluções, a fazer parte das comunidades onde atua, ou se distanciará cada vez mais do importante papel que desempenhou até há algum tempo para o desenvolvimento do País. Nos últimos dias, Porto Ferreira tem sobrevivido sem ele.
André Luis Bellini - MTB 0080630/SP

0
0
0
s2sdefault