Posturas 1
A Câmara aprovou em segunda e última discussão o novo Código de Posturas do município. Para quem não sabe, trata-se de uma lei que tem como finalidade “estabelecer as medidas de polícia administrativa a cargo do Município em matéria de higiene pública, do bem-estar público, da localização e funcionamento das empresas industriais, comerciais e prestadoras de serviços, ambulantes e ocupantes de logradouros públicos, bem como as correspondentes relações jurídicas entre o Poder Público Municipal e os munícipes”. Resumindo, o que pode e o que não se pode fazer.

Posturas 2
Assim como na primeira votação, o projeto, que é do Poder Executivo, recebeu dois votos contrários, dos vereadores Dentinho (PSDB) e Professor Sérgio (DEM). Não conversei com nenhum dos dois para saber os motivos da rejeição. Mas qualquer que for a motivação, os votos contrários mostram uma independência dos vereadores com relação ao Executivo. Muita gente pensa, muitas vezes de forma errada, que tudo que o prefeito manda os vereadores aprovam. Não é bem assim.

Posturas 3
É bom registrar que tanto na elaboração do projeto pelo Executivo quando na análise pela Câmara foram realizadas audiências públicas em que toda a população poderia (e deveria) participar para opinar e discutir sobre as regras. Só que acontece aquele filme que a gente já tá cansado de ver: 0,0000001% se interessa em participar de um debate desses. Mas na hora de reclamar no Facebook todo mundo aparece!

Sujeira 1
Tivemos o mês de outubro mais chuvoso desde 1991 (veja reportagem nesta edição). Se por um lado isso é bom para apagar a poeira, para a agricultura, para os reservatórios que abastecem cidades e hidrelétricas, por outro lado o mato cresce mais rápido e começa a gerar reclamação. Muitos terrenos descuidados e também áreas públicas com um certo desleixo. Ou seja, muito trabalho para os fiscais da Prefeitura – que cuidam da Postura – e para as equipes de Obras.

Sujeira 2
A gente sabe que a Prefeitura muitas vezes deixa a desejar na limpeza de suas áreas. Mas também é preciso admitir que tem um povinho muito sujismundo na cidade. Jogam todo tipo de lixo, sujeira e entulho em qualquer lugar. Quanto mais afastado o bairro, mais se vê. Mas até mesmo no centro você encontra alguns absurdos. Enquanto não se mudarem os hábitos, enquanto não se tiver educação e cidadania, enquanto não se pensar que o morador de outro bairro também merece respeito, a situação infelizmente vai continuar como está.

Fim da calmaria?
O mandato do atual presidente da Câmara está se encerrando em dezembro, depois de 2 anos no cargo. Eu nem vou comentar o que acho, senão vou ter que lembrar toda aquela ladainha de “economicidade” e outras conversas pra boi dormir, que até hoje não mostraram nenhum resultado concreto. Mas a pergunta que fica é a seguinte: qual será a postura (já que falamos muito de postura hoje) do vereador nos próximos 2 anos? Vai ficar em cima do muro? Vai descer pro barco do governo, que ele caminhou junto na campanha política? Vai descer pro lado da oposição e mostrar as garras? Esta última parece mais realista.

Candidatos 1
Todo mundo sabe que uma campanha eleitoral começa assim que termina a contagem dos votos da última eleição. Só que o assunto sucessão na Prefeitura ainda está bem morno. Ou estava, porque nem bem passaram as eleições gerais para presidente, governador etc., e já começaram os boatos dos prováveis futuros candidatos.

Candidatos 2
Se você perguntar para qualquer um que seja um(a) potencial candidato(a) a prefeito(a) em 2020 se ele(a) realmente vai concorrer, é bem provável que a resposta seja: “o futuro a Deus pertence”. Mas, não é bem assim. Quem tem pretensão já está fazendo contatos, buscando apoios, traçando estratégias.

Candidatos 3
O prefeito Rômulo Rippa, por exemplo, quando perguntado, foge do assunto. Logo após a posse dizia que seu período no Executivo seria só de 4 anos. Depois não se ouviu mais nada sobre isso. O que leva muita gente a especular. Esta semana um passarinho me contou que o atual presidente da Câmara estaria fazendo alguns contatos já pensando numa chapa para 2020. Tem todo o direito, mas certamente também vai negar se for perguntado.

Candidatos 4
Fora isso, temos os outros dois grupos tradicionais que já estiveram lá. A família Braga, que concorre desde 1968. Só não lançou candidato Braga em 1978 e 1988 porque ainda não era permitida a reeleição. Em todas as outras teve algum representante: Dorival, André, o primo deste e Renata. Depois dos 17,3 mil votos, muita gente aponta agora Daniela como o nome da família. André fala que não pensa mais nisto. Por isso mesmo, o ex-prefeito é um nome a ser considerado. Ficar fora dos holofotes ajudar a preservar.

Candidatos 5
E tem ainda o grupo do ex-prefeito Dr. Maurício Rasi, de sua esposa Viviane, que também não param de fazer política mesmo sem ocupar cargos eletivos. O ex-prefeito e delegado, que hoje atua no Ministério do Turismo em Brasília, provavelmente vai ter de voltar para alguma Delegacia em janeiro, pois o MDB, seu partido, até agora não definiu nada sobre o governo Bolsonaro. Acho meio difícil então ele se manter como assessor do MTur. E se ele voltar, ficará mais próximo para articular alguma coisa. Resta saber a sua situação jurídica, assim como da esposa, pois ambos têm condenação em segundo grau. Haveria um outro nome do grupo a ser lançado? Alguém “descontaminado”, um nome novo? Um médico, por exemplo?

0
0
0
s2sdefault