Itália multa Google em 102 milhões de euros por abuso de posição dominante

Itália multa Google em 102 milhões de euros por abuso de posição dominante
Pena foi motivada pela recusa da empresa a aceitar em sua plataforma Google Play um aplicativo que permite localizar terminais de recarga para os carros elétricos, afirmou agência italiana. O logotipo do Google é visto em um dos complexos de escritórios da empresa em Irvine, Califórnia, nos Estados Unidos

Mike Blake/Reuters/Arquivo

A agência reguladora da concorrência na It√°lia anunciou nesta quinta-feira (13) uma multa de 102.084 milh√Ķes de euros (US$ 123,5 milh√Ķes) contra o Google por abuso de posi√ß√£o dominante.

A multa foi motivada pela recusa da empresa a aceitar em sua plataforma Google Play um aplicativo que permite localizar terminais de recarga para os carros elétricos, afirmou a agência italiana em um comunicado.

"Com o sistema operacional Android e a loja de aplicativos Google Play, Google tem uma posi√ß√£o dominante (...) É necess√°rio recordar que na It√°lia quase 75% dos smartphones utilizam Android", completou a autoridade antimonopólio.

Uma investiga√ß√£o da agência reguladora italiana apontou que o Google n√£o autorizou o uso do app JuicePass, desenvolvido pelo grupo de energia italiano Enel, em seu sistema Android Auto.

"O JuicePass oferece uma ampla gama de servi√ßos para a recarga de veículos elétricos, que v√£o da busca de uma esta√ß√£o de recarga até a gest√£o do processo de recarga e a reserva de uma esta√ß√£o", afirmou o organismo italiano.

Concorrente do Google Maps

O aplicativo faz concorrência com o da gigante americana, Google Maps, que, no entanto, atualmente permite apenas procurar esta√ß√Ķes de recarga para veículos elétricos.

"Google, ao negar a Enel X It√°lia (...) a disponibilidade do JuicePass no Android Auto, limitou injustamente as possibilidades dos usu√°rios do aplicativo da Enel", afirmou a agência, que iniciou a investiga√ß√£o em maio de 2019.

Neste contexto, a autoridade antimonopólio também impôs ao Google que disponibilize para a Enel X It√°lia e outras empresas que desenvolvem aplicativos "os instrumentos para a programa√ß√£o da apps que funcionem no Android Auto".

Esta obriga√ß√£o ser√° controlada com a ajuda de um especialista independente da agência "a quem o Google dever√° facilitar toda a colabora√ß√£o e informa√ß√£o exigidas", conclui o texto.

O que diz o Google

Após o anúncio, o Google afirmou que "respeitosamente discorda da decis√£o", segundo um comunicado divulgado pela empresa.

"A prioridade número 1 do Android Auto é garantir que os aplicativos podem ser utilizados de forma segura enquanto se dirige. É por este motivo que temos diretrizes estritas sobre os tipos de aplicativos suportados pelo sistema", completa a nota.

O grupo afirma que h√° "milhares" de aplicativos compatíveis com o Android Auto e indica que examinar√° a documenta√ß√£o da agência reguladora italiana para "decidir os próximos passos".

Entenda processo que o Google enfrenta nos EUA

Veja 5 pontos sobre do processo contra o Google nos EUA