Campanha da Fraternidade 2022 será sobre a educação

A campanha abordará, entre outros pontos, o papel da família e a proposição de caminhos de superação da realidade atual no Brasil

Dom João Justino apresenta a Campanha da Fraternidade 2022

Dom João Justino apresenta a Campanha da Fraternidade 2022

Fraternidade e Educação. Este é o tema da Campanha da Fraternidade para a Quaresma do ano de 2022. O assunto foi discutido na manhã desta quarta-feira (14), durante a 58ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Com o lema "Fala com sabedoria, ensina com amor" (Pr 31,26), a campanha abordará, entre outros pontos, o papel da família e a proposição de caminhos de superação da realidade atual no Brasil.

O arcebispo de Montes Claros (MG), dom João Justino de Medeiros Silva, que também é pedagogo, foi o responsável por apresentar as propostas para a Campanha da Fraternidade. "É um convite a não pensar na educação apenas com as instituições de ensino, mas de uma forma mais ampla, a começar pela família e emanando para toda a sociedade", avaliou.

Dom Leomar Brustolin, bispo auxiliar da Arquidiocese de Porto Alegre (RS), ressaltou que a Campanha da Fraternidade de 2022 será transversal em diferentes aspectos. "Se calcula que cerca de 20 milhões de brasileiros ficaram sem escola em 2020. Imagina o que significa isso em justiça social. Como vamos pensar em um mundo melhor, se não levarmos isso em consideração?", indagou.

"A família, neste aspecto, é indispensável. É ali onde se aprende o agradecimento, o respeito e a justiça social", disse o bispo auxiliar de Porto Alegre. "Para educar uma criança precisa da família, da escola, da Igreja e da sociedade, porque tudo educa", completou.

Pacto pela Vida

A crise causada pela pandemia em diversas áreas impulsionou a Igreja no Brasil a dar início ao Pacto pela Vida e pelo Brasil, em abril de 2020. A iniciativa que completou um ano, foi abraçada por seis organizações da sociedade civil e voltou o olhar para as pessoas que mais sofrem, com o objetivo de lutar e de proteger as mais diversas formas de vida.

De acordo com o bispo de Lages (SC) e presidente do Grupo de Trabalho (GT) do Pacto pela Vida, dom Guilherme Werlang, a vida não pode ser compreendida apenas como a vida humana, mas sim como um conjunto que envolve, também, o planeta e a natureza. "Quando o Pacto pela Vida teve início, a pandemia estava começando. Além disso, estávamos vivendo a calamidade de todos os grandes incêndios no Pantanal e na Amazônia, de modo especial", afirmou. "O pacto pela vida e pela vida e pela vida impacta na defesa da vida humana e das políticas públicas. Não há como lutar pelo Brasil, sem dar a devida atenção aos mais pobres", concluiu.

Assembleia Geral da CNBB

A 58ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) começou na segunda-feira (12) e segue até sexta-feira (16). Nela, os bispos estão reunidos de forma virtual para tratar de vários assuntos ligados à ação evangelizadora da Igreja, com destaque para o tema central "Casas da Palavra – Animação bíblica da vida e da pastoral nas comunidades eclesiais missionárias".

O tema diz respeito ao Pilar da Palavra proposto pelas Diretrizes Gerais da Ação Evangelizadora da Igreja no Brasil (DGAE 2019-2023).