Terça-feira, dia 01 deste mês de Outubro, estiveram reunidos em assembleia comemorativa alguns membros do A.A. ferreirense; 'VIDA NOVA" - e elevado membros dos AA.s da região, companheiros, irmãos que se livraram do grande infortúnio do alcoolismo: Pirassununga, Tambaú, Leme, Araras e outros.

ALCOÓLICOS ANÓNIMOS - É uma irmandade de homens e mulheres que compartilham, entre si, suas experiências, forças e esperanças, a fim de resolver seu problema comum e ajudar outros a se recuperarem do Alcoolismo.
Tivemos a felicidade de receber, de coração e braços abertos, esta irmandade mundial há 37 (trinta e sete) anos que desde então estão salvando vidas de ferreirenses de outros de fora e de suas famílias, sim, porque são os familiares que mais sofrem, afinal, o alcoólatra "não está nem aí"! Não fazemos levantamento nem recenseamento mas certeza temos que durante estes anos foram mais de mil os felizardos que se salvaram!!
Ali, no saguão da escola da "Casa do Padre", à rua Dona Balbina, 290, na reunião comemorativa, houve a parte de palestra, que sempre ocorre. Este ano coube à Companheira Denire R., que brilhantemente explanou desde a criação do A.A., na cidade de Akron nos Estados Unidos, em 10 de Junho de 1935, por um médico: Dr. Bob e por Bill W. corretor da Bolsa de Nova York, sua vindo para o Brasil, Rio de Janeiro, em 1947, sempre compartilhando com mulheres!
Este o principal tema de sua palestra: AS MULHERES NO AA.
Quanto o AA deve às mulheres não alcoólatras desde sua fundação e por mulheres alcoólatras que tiveram a felicidade de alcançarem a sobriedade, abraçando os ideais do AA. Situo uma grande variedade delas, americanas, desde as esposas dos fundadores como a primeira, alcoólatra, Florence Rankin desde Akron em 1935, que inclusive ajudou Fitz M. alcoólatra sóbrio, a fundar o Grupo de Washington, MD, que infelizmente recaiu, voltou a beber e se suicidou, até a conhecida com LIL (nome fictício) que se livrou da terrível doença, em Nova York; até a Betty Ford, esposa de Gerald Ford, Presidente dos Estados Unidos (1913-2006), que, corajosamente admitiu ser alcoólatra, que após tratamento fundou no Estado da Califórnia o mundialmente famoso Betty Ford Center, para tratamento de álcool e drogas.
E muito mais falou, elucidou e ensinou, inclusive falou de si e sua família que segundo ela, Graças a Deus e ao AA não se diluiu. Mencionou da dificuldade das mulheres alcoólatras, que não são respeitadas, e sim maltratadas, pejorativamente chamadas e tratadas com os piores nomes. Esquecem-se todos que ela simplesmente É uma doente!
Parece que sempre as mulheres acompanharam o mesmo índice de alcoolismo masculino, entretanto é assustador que este número está aumentando, atualmente, acompanhando os jovens em brincadeiras dançantes, encontros em bares e pisarias julgam e estão certas que têm os mesmos direitos. Nada está errado. O único perigo poderá ser o desenvolvimento da terrível doença, incurável, que é o alcoolismo.
Felizmente, hoje temos à mão, a irmandade do AA, que salva vidas!
Venha nos conhecer, as reuniões às terças-feiras, às 20 horas Rua Dona Balbina, 290,
Venha nos ajudar a completar 38 anos, salvando vidas!

0
0
0
s2sdefault