Um estudo publicado no site Observatório da Oncologia, com dados de 2015, mostra que Porto Ferreira registrou naquele ano um total de 71 mortes ocasionadas por câncer. Isto representa 17,35% dos óbitos registrados no município naquele ano.

Deste total, o tipo mais comum de óbitos foi por câncer de pulmão, com 14 ocorrências, o que representa 19,7% das mortes pela doença. O nome técnico é neoplasia maligna dos brônquios e dos pulmões. Em outras palavras, um em cada cinco pacientes que morreram foram por câncer de pulmão. Este também é o tipo mais comum no país.
Em Porto Ferreira, as mortes em 2015 por câncer de pulmão foram praticamente três vezes maior do que os tipos que vêm na sequência, como tumores no fígado (5 mortes), aparelhos respiratório/digestivo (5), cólon (4), lábio, cavidade oral e faringe (3), esôfago (3), próstata (3), rim (3), bexiga (3) etc.
Quanto ao sexo, as mortes aconteceram mais com mulheres (38 casos) do que com homens (33).
Já a faixa etária mais atingida é aquela que vai dos 70 aos 79 anos, com 24 mortes, seguida dos 60-69 anos (18 mortes), 50-59 e +80 (12 óbitos em cada faixa), 40-49 (3 mortes) e 30-39 (2 mortes).
O estudo também aponta que em 52 dos 645 municípios do Estado de São Paulo o câncer é a principal causa de morte da população. Não é o caso de Porto Ferreira ou de alguma cidade da região.
Segundo a Agência Internacional para Pesquisa em Câncer (IARC/OMS), organização que calcula a incidência e mortalidade por câncer no mundo, estima-se que a doença tenha sido a responsável por 8,2 milhões de mortes por câncer em 2012.
No Brasil, as neoplasias malignas passaram a ser uma das principais causas de morte na população nos últimos anos. Se nada for feito, em 2029 o câncer se tornará a primeira causa de morte no país.
Em relação aos casos novos no Brasil estima-se cerca de 600 mil novos casos de câncer ao ano, para o biênio 2018-2019, 68% estarão nas Regiões Sul e Sudeste. No Sudeste, encontra-se quase a metade dessa incidência (47%). Existe grande variação na magnitude e nos tipos de câncer entre as diferentes Regiões do Brasil.
Os dados mostram que a maior parte das cidades onde o câncer já é a principal causa de morte está localizada em regiões mais desenvolvidas do País, justamente onde a expectativa de vida e o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) são maiores.
Dos 516 municípios onde os tumores matam mais, 80% ficam no Sul (275) e Sudeste (140). No Nordeste, estão 9% dessas localidades (48); no Centro-Oeste, 34 (7%); e no Norte, 19 (4%).
Tabagismo é o principal fator do câncer de pulmão
Se você quer se prevenir do câncer de pulmão, pare de fumar. 95 % dos casos de câncer em homens e 80 % dos casos de câncer em mulheres são relacionados ao tabagismo. Portanto, a melhor forma de prevenção é evitar o consumo de tabaco.
Se você for um fumante, consulte seu médico para que juntos, vocês busquem alternativas e tratamentos para conseguir abandonar este hábito de risco.
Reduza a exposição a alguns tipos de elementos químicos: elementos químicos como o amianto são extremamente prejudiciais e não existem níveis seguros para o seu contato.
Trabalhadores que lidam com materiais químicos (Arsênico, Amianto, Asbesto, Berílio, Cromo, Radônio, Níquel, Cádmio e Cloreto de Vinila) em construção naval, mineradoras, isolantes térmicos e em fábricas de freios também devem estar sempre atentos para as medidas de segurança tomadas pelas empresas em que trabalham.
O hábito de fumar é o fator de risco mais conhecido, sendo responsável pelo aumento de 40 vezes a chance de desenvolver câncer de pulmão quando comparados aos não fumantes. Na fumaça do cigarro existem mais de 5 mil substâncias químicas das quais cerca de 50 são cancerígenas.
Somente 15 % dos fumantes terão câncer de pulmão, porém outras 57 doenças estão relacionadas com o hábito de fumar. Outros fatores ligados ao consumo de cigarro que podem, de forma combinada, colaborar para o aparecimento da doença. Entre esses fatores estão: idade em que começou a fumar, número de cigarros por dia, força utilizada para inalar o cigarro, idade da pessoa e tempo do hábito.

0
0
0
s2sdefault