Rodoviária 1
Nada de muito interessante na Câmara Municipal na sessão de segunda-feira. Um dos pontos mais discutidos pelos vereadores foi sobre as obras de revitalização da estação rodoviária, alvo de requerimento do vereador Élcio Arruda, que solicitava informações sobre o andamento do processo (guarde isto). Élcio, inclusive, usou a palavra e lembrou que a verba para obra foi conseguida por deputado do seu partido, lembrou do casal Rasi, lembrou muita coisa. E disse que estava fazendo o requerimento para saber como estava o processo de licitação. “Pelo que eu tive de informação extraoficial parece que estava em fase de licitação”, disse.

Rodoviária 2
Na sequência, como é praxe na atual legislatura, começou a romaria de vereadores na tribuna pra falar sobre a “importância” de reformar a rodoviária. Primeiro foi o vereador Kiko Mecânico, pedindo agilidade na obra. Depois, foi Dentinho, que falou sobre o pessoal que frequenta o local, tanto aposentados que jogam um baralhinho, como também pediu providências sobre os desocupados que importunam os usuários do local. Ainda usou a palavra o vereador Ismael da Farmácia, até então, que disse ter “vergonha” da rodoviária. “Eu não consigo entender como que muitos não conseguem apreciar a preciosidade que tem um ponto de ônibus, uma rodoviária”, disse a certa hora.

Rodoviária 3
O requerimento foi votado e aprovado, sem problemas. Lá na palavra livre final da sessão, o líder do governo, vereador Alan João, usou a tribuna para esclarecer a questão sobre as obras da rodoviária. Muito educadamente, Alan disse que a licitação já foi realizada, já tem empresa certificada, e que só falta o Governo Federal depositar os 20% do valor da obra para que os serviços tenham início. Agora, o detalhe importante: esta documentação da licitação já se encontrava na Câmara!!! Claro, a legislação municipal obriga a Prefeitura a enviar todos os processos licitatórios para o Legislativo. Todo vereador sabe disso. Ou, então, deveria saber. Um pouco mais de atenção pouparia papel com requerimentos e discursos de relevância duvidosa.

Problema de fonte
Também na palavra livre final o presidente da Câmara disse que viu num site da cidade (citando-o) que o Projeto Guri ia fechar, mas não fechou. Depois disse que viu no mesmo site que a Prefeitura fez o estudo de mobilidade da ponte do Santa Rosa. Quem escutou, ficou com a impressão que as reportagens foram feitas pelo tal site. Bom, eu não entendo de muita coisa, mas de imprensa eu entendo. E tem uma coisa que se chama fonte de informação. E essas matérias que o presidente viu no tal site, na verdade, não são do tal site, que copia e cola de outras fontes 99% do seu conteúdo. Procure os originais, presidente, cite as verdadeiras fontes! O que quer fazer é propaganda, então faça direito e não propaganda enganosa que coisa feia, pois as fontes são da Assessoria de Comunicação, Cerimonial e Eventos. Está no pezinho da matéria caso não saiba o que é fonte.

AVCB?
Ah, quase ia me esquecendo. Mais uma sessão e ninguém falou nada sobre o AVCB, CLCB ou o raio que o parte o nome que tem o documento contra incêndio da Câmara. E vai ficar por isso mesmo, pelo que eu tô percebendo. Pra cobrar dos outros, foram uns tigrões. Pra dar explicação sobre a própria casa, foram uns gatinhos. Caramba... Claro que também sobre a empresa que deu calote na cidade na reforma da Câmara nada se fala, sobre a incompetência de se colocar empresas, isso mesmo empresas sem capacidade de prestar o serviços como de segurança, também ninguém fala. Poxa que hipocrisia.

Novo diretor 1
O presidente ainda informou no final que o Dr. Ivo Hissnauer vai ser o novo diretor da Câmara. É, parece que o tal assessor que tinha recebido primeiramente o convite não aceitou, pois poderia ter problemas com incorporações de salário. Se eu entendi direito, ganha mais num cargo simples do que como diretor? Vai entender essas coisas, deixa pra lá.

Novo diretor 2
Mas a Câmara ficará em ótimas mãos, pois o Dr. Ivo Hissnauer é competente e trabalha há muitos anos no Legislativo local como assessor jurídico. Só que ao comentar a indicação, o presidente pra variar cometeu uma gafe. Disse que ao nomear o Dr. Ivo estaria dando continuidade à política de valorizar o pessoal interno. Péra, péra, péra... Como disse, faz muito tempo que o Dr. Ivo atua na Casa, mas ele não é servidor concursado. Ocupa um cargo comissionado (de confiança) externo, ou seja, temporário. Ou será que o presidente não sabe diferenciar essas coisas? Tá difícil competir com a realidade assim como diz um chavão de um programa humorístico, e não é que é verdade.

Reajuste
Bem, pra fechar o assunto sobre a sessão da Câmara, os vereadores aprovaram o reajuste dos servidos, que ficou pouquinho acima da inflação. E pensando na “economicidade” dos cofres públicos, os vereadores também aprovaram reajuste no mesmo percentual aos próprios salários. E passa a régua.

Força
O prefeito Rômulo Rippa recebeu muitos elogios na Câmara por ter conseguido reverter a situação da agência local do INSS, que ia perder os médicos peritos. Foi sua principal pauta na viagem a Brasília semana passada. Como se diz, calçou a cara e foi bater na porta de todos que poderiam resolver a situação. E resolveu! Agora esta era uma decisão que fugia da alçada municipal, mas parabéns por conseguir manter tal serviço em nossa cidade. Falar que ia embora e descer o pau é muito mais fácil. Já vi isso muitas vezes.

Nós, os abutres 1
Virou moda por aí, principalmente entre os apoiadores mais xiitas do governo Bolsonaro, querer desqualificar a imprensa de um modo geral. Jornalistas, jornais, TV, rádios, revistas, ou seja, a imprensa tradicional, seria uma das vilãs do país porque, ora, ora, tem a mania de escarafunchar os podres do governo. Aliás, dos governos, né? Os petistas também malhavam boa parte da imprensa, como se esta fosse culpada pelo Lula roubar. Isso é a velha tática de querer primeiro desqualificar quem acusa do que esclarecer o que está sendo acusado. O duro é que esses xiitas ainda querem fazer acreditar que o que vale mesmo é o que o pessoal publica nas redes sociais. Ah sim, ali não tem nada de fake news, é tudo checado e apurado. Gente muita calma a eleição já passou.

Nós, os abutres 2
Claro que o Jornal do Porto também não fica fora de críticas quando põe o dedo na ferida e aponta coisa errada. Mas, em 41 anos de existência, isso não nos abala mais. Tem muita gente que diz também que nós da imprensa somos uns abutres. Olha, até que tem muita gente nesse meio que merece o rótulo. Mas o povo também gosta de ver sangue, gosta do sensacionalismo. Vou dar um exemplo. Na terça-feira à noite teve um trágico acidente (mais um!) no trevo da Verallia e uma mulher morreu. Uma pessoa deu a “notícia” num grupo do Facebook. Eu contei: em 48 minutos da postagem já havia 476 comentários! Depois nós é que somos os abutres.

Responsabilidade
Este caso do acidente é um bom exemplo sobre como se porta parte da imprensa também (se é que podemos chamar assim). Teve gente que não apurou nada e já saiu publicando a notícia em sites com base no “ouvi dizer”. Vale tudo para ganhar uns cliques, nem que seja mais com desinformação do que com algo que preste, ou seja, checado, apurado, com dados reais. O Jornal do Porto só publicou a notícia mais tardia porque o trabalho de buscar as fontes certas, ficar respaldado, checar os fatos, dá trabalho. Imprensa séria DÁ TRABALHO, é o que sempre digo. O que você lê no Jornal do Porto, não importa se é na edição impressa ou na internet, é fruto de trabalho, de compromisso. Pode confiar.

Crescendo
Talvez por esse reconhecimento estamos crescendo cada vez mais. Se no impresso o JP é único no município, na internet também não ficamos atrás. Tivemos no último mês cerca de 30 mil visitantes únicos apenas no Facebook (sem contar o portal e o Youtube). Nada mal.

Caravana
Aumentei um pouco o espaço dessa coluna para dar por encerrada a conversa com um pseudo jornalista de um bloguezinho medíocre que insiste em nos atacar. Deve ser paixão demais enrustida na sua rebeldia sem causa, ou vai saber o que mais move esse “cidadão” a ter tanto rancor. E, claro, eu não poderia deixar os leitores sem as informações costumeiras da coluna usando esse espaço com discussões fúteis como do sr. que nos ataca. Espero a compreensão dos meus leitores, espero não ter que usar mais dessa coluna para fatos corriqueiros. Mas... prego que se destacada corre esse risco mesmo, como disse uma pessoa muito querida. O jornal, nessa expansão, tanto digital como editorial, com matérias exclusivas (furos), deixa mesmo algumas pessoas abismadas e inconformadas, principalmente aqueles que não aceitam e não querem enxergar um palmo à frente de seu nariz. Talvez por terem um instrumento e não terem a capacidade e a honestidade que tudo isso requer. Portanto, deixo um abraço a todos que me ligam e que aconselham para deixar fatos irrelevantes sem respostas, pois nós não precisamos mostrar o que já está concretizado, na história de vida e de caráter.

Caravana 2
Enquanto os cães e cadelas continuam a ladrar, a caravana vai passando, passando e passando. Nossa, como pode certos cães sarnentos metido a historiador, entre outros ‘‘dipromas’’, que se julga ser de outra raça, mas não passa de um cão sarnento e que continua obcecado pelo Jornal do Porto e seus proprietários. Por que será isso? Será talvez um recalque de conquistas não obtidas e frustações, por ter afundado o barco por onde colocou sua caneta maldosa? Sei lá! Ohhh borra cuecas, passa aqui que te dou aqueles 300 reais que você pediu. Quem sabe assim você para de encher o saco! Deve ser isso. Credo em cruzes. Passa aqui, vai, para tomar aquele cafezinho que seu patrão ofereceu, quem sabe assim você mata sua obsessão e sua dor de cotovelo. Credo. Isso já ficou chato demais, não acha? Vem pegar seu ‘cala boca’ aqui, você venceu, vou te dar os R$ 300 reais. Quem sabe assim nos deixa quieto. E olha que ele ainda acaba falando bem com um bucadin de ‘cascalho’ a mais.

 

0
0
0
s2sdefault