Denúncias envolvendo o padre Pedro Leandro Ricardo e o bispo de Limeira, dom Vilson Dias de Oliveira, repercutiram em toda a Diocese. O padre Leandro, por exemplo, já atuou em Porto Ferreira, num curto período, quando o então pároco da Paróquia de São Sebastião, Ocimar Francisco Francatto, realizou uma cirurgia.

De acordo com informações do Portal de Americana, as denúncias já chegaram ao Vaticano, em Roma, centro da Igreja Católica. No domingo (27), o caso ganhou repercussão quando o padre Leandro pediu afastamento, alegando motivos de saúde.
Os inquéritos que apuram casos de suposto assédio sexual de menores, perseguição e apropriação indébita já estão sob conhecimento da cúria romana. A Basílica de Santo Antônio de Pádua, que fica na região central da cidade de Americana, é considerada território papal.
No domingo, o bispo suspendeu o padre por tempo indeterminado. Ele não pode realizar nenhuma celebração na igreja, incluindo missas, casamentos e batizados.
Na última semana a Delegacia Seccional de Americana e a Delegacia Central de Araras instauraram, a pedido do pedido da Procuradoria-Geral de Justiça do Ministério Público do Estado de São Paulo, inquéritos policias para ouvir testemunhas e apurar as denúncias.
O Portal de Americana é citado na página 44 do inquérito, quando em 2016, foi proibido pelo Juiz Márcio Roberto Alexandre, titular da 3ª Vara Cível de Americana, de divulgar um dos casos narrados na denúncia.
Através das redes sociais, fiéis pedem o afastamento ou renúncia do bispo diocesano até que sejam apuradas as denúncias. Ele ainda não concedeu entrevistas. Na segunda-feira, Leandro divulgou um vídeo em que pede orações e diz que as denúncias são “onda de boataria”.

 

0
0
0
s2sdefault