Enxugando gelo
Estamos naquela semana “mais produtiva” do ano e, claro, muito pouca coisa acontecendo na política local. A Câmara está em recesso e só retorna em 21 de janeiro. Não que tenha gerado muito assunto enquanto ainda havia sessões neste final de ano, mas agora o recesso é “oficial”. A única expectativa criada era quanto à votação da presidência, que já comentamos aqui. Agora é esperar por 2019 e ver como será que nossos vereadores vão atuar. Se vai haver mudanças de grupos, composições, etc. Afinal, ano que vem já é uma pré-campanha eleitoral.

Enxugando gelo 2
Pelos lados da Prefeitura também não há muitas novidades políticas. Correu um boato de que o prefeito Rômulo Rippa poderá promover algumas mudanças nos primeiros escalões. Uma mexida na equipe após cumprir metade do mandato pode ser até bom para manter o pessoal esperto.

Cenário 1
Como dito acima, em 2019 já será uma pré-campanha eleitoral municipal. O jogo de forças deve ficar mais claro. Tem gente apostando que o prefeito vai enfrentar mais dificuldades com o Legislativo, pois é chegada a hora dos vereadores aparecerem para o povão. Mesmo seu grupo tendo feito uma composição para eleger o novo presidente da Câmara, tem gente ali no meio que deve dificultar a vida de Rippa. Não é difícil imaginar de quem estou falando.

Cenário 2
Também deve ficar mais claro como as forças políticas da cidade vão se articular para o assunto sucessão. Os grupos tradicionais vão continuar separados ou pode surgir alguma união inesperada? O prefeito vai dizer se tentará um outro mandato ou não? Na esteira do surgimento dos “não-políticos” dos cenários estadual e nacional, pode aparecer alguém de fora da política para tentar a Prefeitura? Um empresário, um médico? Perguntas, perguntas...

Cenário 3
Não que possa ser determinante, mas a situação dos governos estadual e federal no ano que vem e em 2020 também pode influenciar o processo eleitoral local. Existe, como apontou pesquisa divulgada recentemente, uma grande euforia com a economia em 2019. Tomara que esse entusiasmo realmente se confirme, independentemente se você gosta ou não dos próximos governantes. Precisamos produzir mais e sair da crise.

Cenário 4
Esta semana toda a expectativa é para a posse do novo governador João Dória (PSDB) e do presidente Jair Bolsonaro (PSL). No caso de Brasília, o esquema de segurança deve ser forte. Mas o capitão assume com um desafio muito grande: corresponder às expectativas criadas e calar os críticos. Não vai ser fácil. A julgar pelo que ele e sua equipe fizeram nesta transição, o melhor a fazer é ter prudência, pois se acertaram em alguns nomes para a equipe, também deram muitas cabeçadas. Era muito desmentido daqui e dali após falas de assessores.

Cenário 5
E ainda tem o episódio do Queiroz, o ex-assessor do filho Flávio Bolsonaro que teria movimentado dinheiro incompatível com seus vencimentos. Após um sumiço e faltar duas vezes de audiência com o MP, ele finalmente apareceu esta semana em reportagem exclusiva do SBT. A explicação de que gosta de “fazer dinheiro” ao negociar carros não colou. Tem muita coisa ainda a ser respondida.

Assim é fácil
Tem gente voltando a falar em “economicidade”, um termo gourmetizado para a boa e velha “economia”. Vira, mexe e remexe querem atingir quem trabalha sério e dentro da lei com essa conversa. É fácil criticar. Como é fácil também esquecer que é patrocinado por baixo dos panos por políticos. Ou então receber patrocínio de empresa concessionária e esquecer dos problemas desta. Usar um pseudo-site para bajular quem banca e atacar aqueles que negam patrocínio (inclusive esse semanário que se negou a lhe dar dinheiro). Só uma certeza para 2019: a hipocrisia não vai parar. Um sonrisal, por favor. Sem falcatruas, ameaças, acharcamentos, chantagens e auto-sequestros entre outras coisitas mais, e que usa de seus patrocinadores políticos como capachos deles próprios que são os verdadeiros levam e trazem da politica suja e medíocre, e que se viram esses alguns, contra o velho e tradicional , mas não atrasado e traiçoeiro, como os que se acham modernos . Caramba assim é muito fácil! Pronto falei.

Feliz Ano Novo
O ano de 2019 não terá Copa do Mundo, nem eleições. Boa parte dos feriados também cai em finais de semana. Portanto, promete ser um ano um pouco mais produtivo, já que em 2018 a coisa continuou patinando. Temos de manter sempre o pensamento positivo, que as coisas vão melhorar e assim por diante. A todos vocês, leitores, que prestigiam o nosso trabalho ao longo dos últimos 41 anos, o nosso muito obrigado de coração e os votos de um ótimo ano que está por vir.

0
0
0
s2sdefault