"É o jeito que a natureza deu para não deixar que tudo acontecesse de uma vez só." (John Wheeler)
"Uma ilusão. A distinção entre passado, presente e futuro não passa de uma firme e persistente ilusão." (Albert Einstein)
"Cada segundo que passa é um milagre que jamais se repete." (Antiga frase dita pela Rádio Relógio do Rio de Janeiro).

As três frases acima tentam explicar o conceito de tempo. Crianças de colo não têm a noção de tempo, e adultos com certas doenças neurológicas e ou psiquiátricas podem perdê-la.
Estudos científicos revelam que se toda a existência do planeta Terra pudesse ser sintetizada em 24h, o homo sapiens teria surgido nos últimos quinze minutos, ou seja, exatamente às 23h45.
O tempo passa a cada segundo de uma forma ou de outra. Porém, alguém que esteja realizando atividades que lhes prenda a atenção e lhes exija concentração ou mesmo várias atividades físicas, as horas parecem voar. Neste mesmo período, alguém que esteja numa fila esperando para ser atendido em uma consulta médica ou numa entrevista de emprego, com várias pessoas à sua frente na fila, o tempo parece não passar de forma alguma.
Imagine como o tempo deve “passar devagar” para alguém que está encarcerado numa cela de prisão, num cubículo de alguns metros quadrados e com muitas poucas atividades a desenvolver...
Na verdade, o tempo passa da mesma forma, com a mesma velocidade e em todos os lugares do planeta. Porém, a percepção da duração destes períodos é diferente para cada um dos quase 7 bilhões de habitantes da Terra.
Cheguei à conclusão de que a vida é nada mais nada menos do que uma corrida de revezamento com bastões. Um dia recebi o bastão de meus pais e agora os passo a meus filhos. Isso significa que cada um tem seu tempo para viver. Para alguns este tempo é tão curto que não permite deixar herdeiros ou grandes obras. Outros são presenteados por Deus com longos e produtivos anos de vida.
Muitos seres humanos passam pela vida sem deixar marcas ou grandes lembranças. Outros deixam marcas indeléveis e suas obras, sejam livros, pinturas, esculturas ou mesmo sua biografia recheada por grandes feitos para o bem ou para o mal e os deixam de certa forma “imortais”, ou seja, seus nomes serão falados e seus feitos lembrados e seus livros lidos daqui a milhares de anos. É o caso de Jesus Cristo, Júlio César, Sheakespeare, Jorge Amado, Machado de Assis, Beethoven, Calígula, Marco Antônio, Cleópatra e tantos outros.
Hoje tenho 51 anos. Graças a Deus tenho muita história para contar. Espero escrever alguns livros que serão produto deste mais de meio século que tive a felicidade de experimentar a aventura humana. Algumas destas experiências relato neste espaço semanalmente. Outras exigirão muitas páginas.
Aprendi que é necessário ter o passado como referência, o futuro como objetivo planejado e o presente como momento a ser vivido intensamente. Afinal, queiramos ou não, vivemos cada dia de uma vez. E cada um deles é uma página em branco para preenchermos de boas histórias.
Hoje tenho, aos 51 anos, três filhos e um neto. Fui jovem rebelde, fui militar, fiz três cursos superiores de Graduação e dois de Pós-Graduação. Já plantei algumas árvores. De fato, faltam os livros. E, se Deus quiser, permitir e inspirar, este modesto escriba, eles virão...
Aproveito a ocasião para desejar a todos os meus leitores um excelente 2018!!! Que seja um ano de glórias e felicidades e que Deus nos ilumine a todos!!!

Comentários, críticas e sugestões de crônicas para Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.
Marco Rogério Duarte é jornalista, historiador e estudante de Economia

 

 

0
0
0
s2sdefault

Jornal do Porto TV